1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

África

Países ignoram eleições presidenciais no Congo Democrático

Segundo analista, estrangeiros cansaram de "investimento sem retorno de paz e democracia". Em 2006, 500 observadores internacionais acompanharam escrutínio. Organização alemã pede mais participação internacional.

Etienne Tshisekedi, antigo primeiro-ministro da RDC, causou polêmica com candidatura às presidenciais de novembro

Etienne Tshisekedi, antigo primeiro-ministro da RDC, causou polêmica com candidatura às presidenciais de novembro

Onze candidatos concorrem à eleição presidencial da República Democrática do Congo (RDC) no próximo dia 28 de novembro. Na quinta-feira passada (15.09), a comissão eleitoral divulgou os nomes dos candidatos. Entre eles está o atual presidente, Joseph Kabila, um ex-chefe rebelde; e também o antigo primeiro-ministro Etienne Tshisekedi.

A candidatura de Tshisekedi causou polêmica e violentas manifestações que resultaram num morto e vários feridos no início deste mês. Além disso, os preparativos para as eleições estão atrasados, e pode ser que, por isso, o escrutínio tenha que ser adiado.

A comunidade internacional parece não estar ligando muito. Também a Alemanha mostra pouco interesse, segundo apontam analistas políticos no país europeu.

Presença internacional se resume a missão da ONU

Ao contrário de 2006, não se encontra atualmente soldados e jornalistas alemães na República Democrática do Congo. Há cinco anos atrás, a comunidade internacional acompanhou intensivamente as eleições presidenciais no país situado no centro da África, com cerca de 500 observadores internacionais da União Europeia e da União Africana, por exemplo. A Bundeswehr, ou Exército alemão, participou com um contingente de 780 soldados da tropa de combate europeia EUFOR.

Hoje, apenas as Nações Unidas estão presentes na RDC e deverão garantir a segurança do escrutínio.

Presidente Joseph Kabila também concorrerá à reeleição. Imagem mostra Kabila após a eleição de 2006

Presidente Joseph Kabila também concorrerá à reeleição. Imagem mostra Kabila após a eleição de 2006

Andreas Mehler é diretor do instituto de pesquisas geopolíticas GIGA, com sede em Hamburgo, norte da Alemanha. Segundo ele, a eleição presidencial de novembro na RDC não é mais uma prioridade para a Alemanha porque, "desde 2006, constatou-se que o empenho não resultou no retorno esperado em forma de paz e democracia. E acho que os doadores daquela época cansaram de investir enormes somas de dinheiro que não trazem resultados".

De acordo com o pesquisador, no leste da RDC, saques, sequestros, assassinatos e estupros em massa fazem parte do terrível cotidiano há mais de uma década. Grupos rebeldes dominam especialmente as províncias de Kivu Norte e Kivu Sul.

Além disso, a comunidade internacional não teria mais tanto dinheiro por causa de uma série de crises econômicas – e vários conflitos atuais no continente africano, como na Líbia, teriam desviado o foco dos tomadores de decisão para outros lugares que não a RDC.

Violências pós-eleitorais preocupam observadores

Só que a organização alemã de defesa dos direitos humanos Genocide Alert não vê a situação desta forma. Numa carta aberta a todas as frações partidárias do Parlamento alemão, a Genocide Alert exigiu maior participação da Alemanha no escrutínio presidencial congolês.

É que tanto a comissão eleitoral do país africano, assim como a missão da ONU no país, estão atrasadas com os preparativos da eleição, que poderia até ser adiada.

E, entre os assuntos que preocupam observadores, estão possíveis violências pós-eleitorais. Em 2006, Michel Lountoumbué observou a eleição presidencial de perto. Hoje, ele trabalha para o Grupo de Pesquisa e Informação para a Paz e a Segurança (GRIP, do francês), em Bruxelas.

Para Lountoumbué, não é de hoje que as eleições na RDC trazem problemas: “Existem constantes nos processos políticos da RDC, o que já pudemos observar em 2006, quando aconteceram as primeiras eleições gerais e plurais no país desde a independência", lembra. "A eleição foi marcada por tensões antes e depois do escrutínio. A grande pergunta agora é se a oposição é capaz de usar e puxar para si a insatisfação de uma parte da população", avalia Lountoumbué.

Autoras: Katrin Herms / Renate Krieger
Edição: António Rocha

DW.DE

Áudios e vídeos relacionados