1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Fortuna oculta do presidente angolano supera largamente a do primeiro-ministro chinês

Em comum José Eduardo dos Santos e Wen Jiabao têm o facto de ambos serem homens de poder. Mas também há diferenças: é mais fácil um poderoso enriquecer em Angola do que na China. Em especial se tiver o apelido certo.

Na semana passada, o jornal “New York Times” revelou que a família do primeiro-ministro chinês Wen Jiabao acumulou uma fortuna de pelo menos de 2,7 mil milhões de dólares" (2,08 mil milhões de euros). Em Angola, a riqueza do presidente José Eduardo dos Santos está avaliada em 20 mil milhões de dólares (cerca de 14 mil milhões de euros).

Será, então, possível estabelecer um paralelismo entre as riquezas da família de Jiabao e a família de dos Santos? A DW África conversou sobre o tema com o analista angolano Nelson Pestana.

DW: Há semelhanças entre a acumulação de fortuna de Wen Jiabao e a de Eduardo dos Santos?

NP: O mecanismo através do qual ambos conseguiram a riqueza é o poder político e por isso há esse paralelismo. Em comum há também o facto de ambas as riquezas serem riquezas escondidas, embora no caso de José Eduardo dos Santos alguma da riqueza é assumida pela sua filha Isabel dos Santos.

Isabel dos Santos, uma das empresárias mais poderosas de Angola

Agora em termos de dimensão a fortuna do primeiro-ministro chinês, avaliada em 2,7 mil milhões de dólares é dez vezes inferior à de José Eduardo dos Santos que se estima seja de mais 20 mil milhões dólares. Há outra diferença que é preciso levar em comparação, um é "apenas" o primeiro-ministro, o outro é o presidente, o chefe do executivo, o senhor absoluto do poder em Angola, o que não acontece necessariamente na China na medida em que a China é uma oligarquia e em Angola o poder é autocrático. Normalmente os ditadores autocratas têm mais possibilidades de acumulação de riqueza e de forma mais rápida do que um elemento da oligarquia chinesa.

DW: Têm sido tecidas algumas críticas à falta de transparência nos negócios entre a China e Angola considera que também neste ponto pode ser estabelecido algum paralelismo?

A família de Wen Jiabao terá uma fortuna avaliada em 2,7 mil milhões de dólares

NP:É difícil se há um ponto em comum em relação à apropriação de valores que resulta da política de empréstimos entre os dois países. Em relação ao dinheiro público que é emprestado Estado a Estado não há muito campo para apropriação na medida em que os chineses controlam esse tipo de situação. O que acontece é no nosso caso além de empréstimos de Estado a Estado temos empréstimos com instituições financeiras que sendo do Estado chinês não são o Estado chinês. É através dessas instituições que é drenada alguma riqueza para contas privadas quer de um outro ou do outro.

DW: Quando saiu a notícia no New York Times o regime chinês bloqueou as pesquisas na internet, em Angola o Semanário Angolense foi censurado por ter um discurso do líder da UNITA critico a José Eduardo dos Santos. Existe aqui um modelo de censura idêntico?

NP: Não o modelo de censura não é idêntico. O modelo de censura angolano é mais sofisticado do que o chinês. O modelo de censura chinês é assumido como um dos mecanismos do partido, em Angola não, o discurso de legitimação passa pela ideia de democracia pela ideia de pluralismo. Não é um órgão exterior que impede o jornal de circular é o próprio dono do jornal que decide que desta vez não circula. Só que o dono do jornal faz parte do grupo do poder e por isso é evidentemente um mecanismo de censura e de controlo da opinião pública nacional.

Autora: Madalena Sampaio
Edição: Helena Ferro de Gouveia / António Rocha

Fortuna oculta do presidente angolano supera largamente a do primeiro-ministro chinês

DW.DE

Áudios e vídeos relacionados