1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Escolas de turno integral ganham espaço na Alemanha

As escolas de turno integral na Alemanha estão dando os primeiros passos e ganhando cada vez mais adeptos. Um avanço da sociedade?

Crianças almoçando na escola: uma cena nada comum na Alemanha

Enquanto em muitos países europeus pais e mães estão acostumados a deixar seus filhos o dia todo sob a tutela da escola, na Alemanha esse hábito está apenas engatinhando. O normal no país é as aulas começarem às oito horas da manhã e as crianças já estarem em casa de volta para o almoço.

"Eu mal tenho tempo de tirar a mesa do café da manhã, antes de buscar minha filha às 11 horas na escola", disse Rosie Dragu, mãe de duas crianças e dona de casa. As escolas de meio período, matutinas na maioria das vezes, abarcam 85% dos alunos do país, enquanto as integrais, que estendem a jornada escolar até o fim da tarde, ainda são exceção.

Resultados do teste Pisa foram um choque

Mas a situação começa a mudar. A ministra da Família, Ursula von der Leyen, da União Democrata Cristã (CDU), está fazendo de tudo para que se ofereçam novas opções de educação, principalmente para as crianças pequenas. O número de alunos inscritos em escolas de turno integral cresceu mais de 100%, entre 2002 e 2005, alcançando 259.772. E continua aumentando, segundo estatísticas do próprio Ministério da Família.

O horário integral pode melhorar o aprendizado

A coalizão de governo anterior, formada pelos social-democratas e verdes, lançou a idéia de adotar o turno integral nas escolas, com o objetivo de melhorar a qualidade educacional no país. Em 2002, a Alemanha sofreu um forte choque com os resultados do teste Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos, parte das atividades da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OECD). O país teve uma colocação muito baixa, comparada com outras nações industriais.

Manter as crianças na escola ajuda os pais a encontrar um equilíbrio entre a dedicação ao trabalho e à família, acrescenta a ministra Von der Leyen, como argumento a favor do horário integral.

Dentro e fora das salas de aula

A questão é especialmente urgente diante do envelhecimento da sociedade alemã, decorrente da baixíssima taxa de natalidade no país. Esta é de 1,2 filho por mulher em idade fértil, muito inferior à de outros países onde as crianças passam mais tempo na escola. O paradoxo é que, por um lado, as mulheres precisam ter mais filhos, por outro, sua força de trabalho é cada vez mais exigida.

Aulas de música e esportes ampliam o currículo

Os pequenos ingleses e franceses na faixa etária entre os sete e oito anos, por exemplo, têm 880 horas-aula por ano, enquanto na Alemanha, a média é de apenas 630 horas-aula. Esses países adotam um planejamento de horários que intercala as aulas normais com atividades extra-classe, como esportes e artes. No caso alemão, as crianças passam as manhãs nas salas de aula e depois têm as tardes livres para fazer o que quiserem.

De acordo com Cristina Allemann-Ghionda, professora de Educação Comparada da Universidade de Colônia, o maior desafio para a ampliação da jornada escolar é a resistência em mudar uma tradição que remonta à sociedade baseada na economia agrária.

Naquela época, as crianças precisavam estar em casa para ajudar a família no campo. "O maior obstáculo à reforma é a sociedade ser profundamente conservadora, no tocante à educação", comentou. "As mães sofrem uma tremenda pressão social para ficar em casa."

Lugar de mulher é em casa

Johannes Ross-Klein, diretor da Escola Otto Hahn, instituição de tempo integral da cidade de Bitburg, confronta-se com essa pressão todos os dias, pois 22% de seus alunos são criados por mães solteiras.

Um terço das crianças alemãs já não vivem em famílias tradicionais

"Uma mulher que escolhe inscrever o filho numa escola de tempo integral ainda é vista como mãe ruim", comentou, acrescentando que a visão é de que as escolas integrais estão roubando as crianças das famílias.

Entretanto, ele ameniza sua crítica, acrescentando que o programa de tempo integral recebeu um apoio imenso de pais e professores. Ross-Klein acredita que cada vez mais a sociedade alemã vai aderir à idéia.

Avanço de mentalidade

Andreas Schleicher, coordenador dos estudos Pisa da OECD, concordou que ainda é preciso tempo para que os alemães se acostumem e aceitem a idéia de uma escola de tempo integral. Ele também ressaltou o fato de que o país está passando por uma grande mudança de mentalidade.

"Há cinco anos, seria impossível levar à frente um debate acerca de escolas de tempo integral sem um enxame de críticas condenando a proposta", disse. Em contrapartida, a discussão atual na Alemanha é sobre como colocar o plano na prática, e não sobre a ideologia da escola de tempo integral em si.

"Mesmo entre os políticos mais conservadores, a questão é como implementar o conceito, como fazer isso direito", resumiu o especialista em ensino.

DW.DE