1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Encontro em Brasília explicita diferenças e semelhanças entre países do BRIC

No encontro do BRIC realizado em Brasília, os quatro gigantes econômicos – Brasil, Rússia, Índia e China – debatem temas internacionais, como o sistema monetário global, a política climática e a situação do Irã.

Mapa do BRIC

O que o Brasil, a Rússia, a Índia e a China têm em comum é serem todas nações populosas, com enormes potenciais econômicos. Segundo Stefan Maer, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e Segurança, o BRIC "é uma formação de países, que no futuro terá não apenas uma grande influência na política internacional, mas também uma influência crescente. É uma junção informal de países, que sempre se reencontram. Eles tentam equalizar suas posturas antes da participação em conferências maiores e em negociações internacionais, mas não se trata de uma aliança ou formação firme", explica Maer.

O acrônimo BRIC existe desde o início deste século, tendo substituído o grupo Big 5, do qual a Indonésia ainda fazia parte. Como esses países concentram um alto número de habitantes – quase metade da população mundial vive nesses quatro Estados – e apresentam uma economia em rápida ascensão, a Indonésia deveria ter continuado a participar do grupo, comenta Uri Dadush, da norte-americana Carnegie Endowment. Segundo ele, a influência crescente do grupo é digna de nota.

"Acredito que os países do BRIC formam um bloco importante, que ganha cada vez mais em importância como pólo oposto ao G-8, ou melhor dizendo, aos Estados do G-7, que já não representam, de fato, a economia global de hoje", completa Dadush.

Unidos pelo desejo de se opor

O que une os países do BRIC é, acima de tudo, um forte interesse em se afirmar como pólo oposto às potências ocidentais tradicionais e ao Japão, explica o especialista. Apesar disso, ele não acredita que as nações venham algum dia a formar uma união política e comercial relevante.

"Tendo em vista os interesses estratégicos e as diferenças entre os Estados do BRIC, parece mais improvável que em cinco ou 15 anos ainda haja uma ligação lógica entre esses países. Há simplesmente muitos assuntos nos quais as opiniões dos mesmos são divergentes", resume Dadush.

Um bom exemplo de como as visões China e da Índia podem ser díspares é a fronteira comum entre esses dois países, a respeito da qual há um debate constante. Além do fato de que a Rússia e a China sempre se posicionaram de forma oposta na concorrência política.

"Em certos campos políticos, há provavelmente alguns pontos em comum, sobretudo, talvez, no que diz respeito à política climática, um assunto no qual todos os quatro países hesitam muito em investir. Em outras questões fica muito difícil definir pontos em comum, já que a China é um país calcado num regime autoritário, a Rússia num semi-autoritário e o Brasil e a Índia em democracias. A forma mais fácil de compreensão dentro do bloco é a união pela oposição a determinadas causas, como por exemplo a posturas dos EUA ou da União Europeia", aponta Maer.

Irã, assunto delicado

Uma oposição temida pelo Ocidente poderia ser uma postura de apoio dos países do BRIC ao Irã, um assunto que está na pauta do encontro de cúpula que acontece nesta quinta-feira (15/04), em Brasília. Tradicionalmente, a China e a Índia sustentam uma posição mais positiva em relação ao Irã do que a dos EUA e seus aliados.

"Acredito que as relações que a China e a Índia mantêm com os EUA são baseadas numa ampla gama de interesses econômicos e geopolíticos, entre outros. Acho que as conversações entre os países do BRIC sobre o Irã, caso aconteçam, vão refletir esses interesses. Por isso não espero nenhum resultado radical desse encontro, que pudesse vir a desafiar os EUA. O tema é simplesmente sensível demais", pondera Dadush.

Política monetária global

Durante o encontro, acontecem também discussões a respeito do sistema monetário global. "Há muito que se questiona o dólar como moeda de reservas. Desde a crise financeira global, que começou nos EUA, fala-se de novo a respeito disso. Mesmo assim, a maioria das pessoas que tratam diretamente do tema afirmam que, no momento, não há nenhuma outra alternativa real para substituir o dólar", diz Dadush.

No fim, os especialistas vislumbram um futuro positivo para o BRIC. "De qualquer forma, vimos cada vez mais que, nos últimos anos, países grandes e influentes vêm usando cada vez menos organizações multilaterais, como a ONU, por exemplo, para fazer política e definir diretrizes. Eles procuram muito mais a formação de alianças informais com outros países, através das quais é possível discutir, de forma flexível, sobre um ou outro ponto, a fim de que se consolide, se possível, posições comuns", conclui Maer.

Autora: Sarah Berning (SV)
Revisão: Augusto Valente

DW.DE