1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cientistas tentam desvendar relação entre terremotos recentes

Dados mostram que número de terremotos no mundo é constante e citam teoria que relaciona abalos sísmicos consecutivos.

Registro feito por sismógrafo na Indonésia

O terremoto mais recente aconteceu ao leste da Turquia e dominou as manchetes dos jornais na manhã da segunda-feira (08/03): atingindo 6 pontos na escala Richter, ele matou, até o momento, 57 pessoas. E os abalos sísmicos registrados em Taiwan, Chile e Haiti continuam nos noticiários.

Apesar de algumas evidências sugerirem que esses terremotos possam estar relacionados, os pesquisadores afirmam que uma conexão entre esses eventos ainda não foi cientificamente comprovada.

O número de sismos no globo é relativamente constante – embora flutuante, afirma Wolfgang Friederich, professor de geociências na Universidade do Ruhr, em Bochum.

Dados estatísticos o Instituto de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos mostram que, na última década, o número de abalos sísmicos de magnitude 7 a 7,9 permaneceram estáveis, uma média de 13 por ano.

No mesmo período, foram registrados quatro terremotos que chegaram a 8 e 9,9 pontos. E a quantidade de pequenos abalos medidos é praticamente infinita, segundo Friederich.

Destruição em Concepción, no Chile, depois do terremoto de 28/02

Coincidência ou conexão?

O pesquisador da Universidade do Ruhr menciona que alguns modelos sismológicos e cálculos matemáticos mostram um aumento de tensão tectônica em outras partes do mundo, depois que um terremoto é registrado.

Esse fato, combinado com dados estatísticos, criaram uma teoria: um grande terremoto – como os recentes em solo haitiano e chileno – pode atenuar a tensão em parte de uma placa tectônica, aumentando-a em outras. Isso teria potencial para causar um terremoto consecutivo, em outra parte do planeta.

"O problema é que você tem que provar que não é uma coincidência, o que é muito difícil", alega Friederich.

Alguns cientistas estão bastante seguros de que, depois de um terremoto, a tensão é redistribuída para outros pontos da placa tectônica. Mas relacionar o efeito a um segundo terremoto, ou a um abalo posterior, não é tão fácil.

Rainer Kind, pesquisador do GFZ, Centro Alemão de Geopesquisa, concorda. "Ninguém conseguiu provar com sucesso, até agora, que os terremotos registrados em um lado da placa estejam ligados a terremotos no outro lado."

Métodos de detecção

Um dos fatores que pode ter contribuído para a percepção de que o número de abalos sísmicos esteja aumentando é o aprimoramento dos métodos de detecção. "Nas últimas décadas, a sismologia fez um grande progresso", reconhece Rainer Kind.

Há 30 anos, pontua o pesquisador, os registros sismológicos ainda eram feitos em papel e havia poucas estações de medição no mundo. Atualmente, há muito mais estações com equipamento digital à disposição, e os cientistas podem registrar imediatamente qualquer terremoto em qualquer lugar do mundo.

"Dez minutos depois que um abalo acontece, nós sabemos onde e quão grande ele foi", diz Kind. Os cientistas também sabem que, se houve ruptura numa falha geodésica, ela deverá voltar a se romper. Porém ainda não há como dizer quando ocorrerá o próximo terremoto e qual será a sua intensidade.

Terremoto no Haiti, em janeiro, foi de magnitude 7

Círculo de fogo

A Terra é formada por camadas sucessivas, cujas densidades aumentam da superfície para o centro. As principais são a crosta, o manto e a núcleo.

A crosta é a camada superficial da Terra. O manto apresenta subdivisões: a litosfera faz contato com a crosta, e é sólida; enquanto a astenosfera, cuja temperatura é elevada, compõe-se de rocha derretida.

As placas tectônicas apresentam densidade menor do que o magma da astenosfera, e por isso "flutuam" sobre ele. Os pontos onde essas placas se encontram são as chamadas falhas geodésicas, nas quais se concentra a maior parte dos terremotos.

"As placas movem-se tanto horizontal quanto verticalmente, ou seja, uma se move para baixo da outra", explica Friederich. "Os movimentos das placas também podem ser mistos, na vertical e horizontal."

A maior parte da atividade sísmica do mundo acontece numa área do Oceano Pacífico conhecida como Círculo de Fogo. A região tem o formato de ferradura e circunda a costa do oceano ao longo de países como a Nova Zelândia, Japão, Alasca e Chile. Outras áreas onde há terremotos frequentes são a Crista Oceânica do Atlântico e a Falha de San Andreas, na Califórnia.

Autoras: Alina Dain / Nádia Pontes
Revisão: Augusto Valente

Mais sobre este assunto