1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Beijo gay em novela reflete discussão crescente no Brasil

Mais do que quebra de tabu, cena de "Amor à Vida" responde a debate hoje presente no país. Para analistas, exibição era inevitável diante da mudança, ainda que lenta, da percepção sobre homossexualidade na sociedade.

A cena durou poucos segundos, mas o selinho entre os personagens Félix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso) no último capítulo de Amor à Vida – o primeiro beijo gay masculino numa novela da Rede Globo – foi suficiente para pôr o tema em discussão entre os brasileiros. O hashtag #BeijaFelixENiko ficou como um dos assuntos mais comentados no Twitter por mais de seis horas.

A cena de afeto entre dois homens, em horário nobre e na emissora de maior audiência da televisão brasileira, quebrou um tabu da própria Globo, que relutava em mostrar beijos entre homossexuais. A imagem, porém, representa mais do que um rompimento de um padrão na TV – ela reflete um debate hoje presente na sociedade brasileira.

“Quando uma emissora como a Globo, que tem alcance e influência em todo o país, coloca uma temática como essa, faz com que todos os grupos, mesmo contra ou a favor, discutam o assunto”, afirma João Clemente de Souza Neto, sociólogo da Universidade Mackenzie. “É uma quebra de tabu, e acho que foi um avanço neste momento de se construir e avançar na cultura dos direitos humanos.”

A demora na exibição de uma cena do tipo se explica. Segundo estudo da USP de 2009 – o primeiro quantitativo sobre o tema – 99% da população brasileira possui algum grau de preconceito contra gays. A pesquisa distingue preconceito de homofobia e, nesse sentido, diz que um quarto da população é homofóbica. Entre os homens a cifra é ainda maior: um em cada três apresenta caráter homofóbico.

Aceitação maior

Mas para o presidente da Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Carlos Magno Fonseca, exibir o beijo acabou se tornando inevitável, mesmo com a possibilidade de rejeição por parte dos telespectadores. A expectativa da opinião pública, explica, era grande, e o casal homossexual da trama foi aos poucos ganhando apoio popular.

“Sem dúvida a emissora sofria também da pressão dos setores religioso e conservador, que não querem que se avance com os direitos LGBT no país. Sem dúvida, se não houvesse adesão da população, não haveria o beijo. Mas houve uma questão cultural que acaba mostrando que casais homossexuais existem na vida real, se amam e constroem família”, completa Fonseca.

Um estudo recente do americano Pew Research Center, feito a partir da pergunta “A sociedade deveria aceitar a homossexualidade?”, concluiu que a aceitação aos gays é menos difundida em países em que a religião ocupa um papel mais central nas vidas das pessoas, como o Brasil.

A aceitação no país, no entanto, vem evoluindo. Em 1993, pesquisas de opinião pública estimavam que não mais que 7% dos brasileiros eram favoráveis à união homoafetiva. Hoje, segundo sondagem de 2013 feita pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) em parceria com a MDA Pesquisas, cerca de 40% apoiam.

Niko (Thiago Fragoso) e Félix (Mateus Solano) em cena de "Amor à Vida"

Em nota, a Globo disse que “toda cena de novela é consequência da história, responde a uma necessidade dramatúrgica e reflete o momento da sociedade”. E “o beijo entre Félix e Niko [...] foi, portanto, o desdobramento dramatúrgico natural dessa trama."

"O impacto desta discussão é enorme e gera a médio prazo um debate que acho extremamente bem-vindo", opina a antropóloga da PUC-SP Silvia Borelli. "A cena do beijo provoca uma discussão e reflexão dentro das famílias e escolas sobre os homossexuais."

Primeiro beijo em 1990

Apesar da polêmica, o primeiro beijo entre personagens homens ocorreu na minissérie Mãe de Santo, da extinta TV Manchete, em 1990. O beijo, muito tímido e em contraluz, não causou grande repercussão na mídia brasileira, como acontece atualmente com a cena de Amor à Vida.

No último domingo (02/02), na festa de lançamento da novela de sua autoria Em Família – que sucede a Amor à Vida – Manoel Carlos disse que muitos autores, como ele, já tinham a intenção de usar uma cena como a de Félix e Niko em suas tramas. “Todos os autores já tentaram botar o beijo [gay]. A Globo é que não punha no ar. O problema é dela mesma”, disse à imprensa brasileira.

E realmente não foi a primeira vez que um autor de novela da Rede Globo escreveu uma cena de beijo entre dois personagens. Em 2005, decidiu-se não levar ao ar um beijo entre os personagens interpretados pelos atores Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro na novela América, de Glória Perez. O veto causou reações de revolta de muitas organizações de defesa dos direitos dos homossexuais.

“A religião tem uma força até um determinado momento. Eu não vejo agora a Rede Globo mais ou menos conservadora. Foi o Ibope, questões mercadológicas, sociais e pressões de grupos que levaram a isso", afirmou João Clemente. "Acho que as relações sociais neste momento pediam isso, e a Globo está dentro dela e, de uma forma ou de outra, tinha que ceder – o que outras emissoras também iriam fazer”, completa o sociólogo do Mackenzie.

O último capítulo da trama de Walcyr Carrasco marcou 48 pontos de audiência e igualou o recorde alcançado em 27 de janeiro, quando Aline esfaqueou Ninho. Cada ponto representa 65 mil televisores ligados na Grande São Paulo. De acordo com dados da Rede Globo, a audiência média geral da novela foi de 36 pontos.

Entre mulheres, o primeiro beijo na televisão brasileira foi transmitido pela extinta TV Tupi, no teleteatro A Calúnia, em 1964, entre Vida Alves e Geórgia Gomide. Já em 2011, foi a vez de o SBT mostrar troca de carícias e um beijo – de 40 segundos – entre as personagens de Luciana Vendramini e Giselle Tigre na novela Amor e Revolução. No entanto, a emissora de Silvio Santos vetou um beijo entre os personagens de Lui Mendes e Carlos Artur Thiré na mesma trama.

Mais sobre este assunto